Cinco perguntas para: Gabriela Bucceri, Argentina

Gabriela BucceriContinuamos com nossa série "Cinco perguntas para" ea entrevistada hoje e na Argentina Gabriela Bucceri, que dirigeprojetos de desenvolvimento e implementação de Sistemas Acadêmicos, de Tecnologia Educativa, de apoio à Pesquisa e de Serviços Informáticos, na Coordenação Geral de Tecnologia da Informação e Comunicações, dependente da Reitoria e do Conselho Superior da Universidade de Buenos Aires.

Conheça o TICAL2015 palestrante: Susan Grajek, EUA

Susan Grajek

Faltando pouco mais de dois meses antes do início da quinta Conferência TICAL, e é hora de conhecer os palestrantes internacionais que que compartilharão suas experiências nas sessões plenárias. Do Portugal vem Eloy Rodrigues; da Colômbia, Andres Holguin; do México, Me. Manuel Moreno, e da Alemanha, Johann Pongratz. Os quatro darão vida as sessões de TICAL2015, em Viña del Mar, no Chile, entre os dias 6 e 8 de julho, junto ao palestrante que apresentamos agora: Susan Grajek, Estados Unidos.


Susan Grajek é vice-presidente de Dados, Pesquisa e Análise em EDUCAUSE.

Também tem a responsabilidade programática pela Cibersegurança de EDUCAUSE, GRC (Governança, Risco e Cumprimento) e programas de TI administrativos.

Antes de fazer parte de EDUCAUSE, passou mais de 25 anos na Universidade de Yale, onde trabalhou como Subgerente de Relações na divisão de Serviços de Tecnologia de Informação (ITS, em Inglês), posto a partir do qual ela supervisionou a estratégia ITS, seu planejamento, a gestão de relações e a execução de projetos para a gestão acadêmica da universidade e seu conselho geral. Antes disso, ocupou o cargo de Diretora Principal de Estratégia e Planejamento de ITS, onde coordenou o desenvolvimento do primeiro plano estratégico de TI de Yale e liderou a criação e execução da atual estratégia de segurança de TI da Universidade. Também dirigiu a equipe de gestão da mudança para a formação do primeiro centro de serviços empresariais compartilhados de Yale. Sua passagem pela universidade incluiu outros cargos de liderança e gestão de TI, como o de diretora principal de apoio ao cliente ITS e o de diretora de comunicações e apoio técnico para funções ITS aos serviços da Escola de Medicina da universidade.

Grajek, que também tem um Ph.D. em pesquisa em Psicologia da Universidade de Yale, trabalhou no Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública da Escola de Medicina de Yale, onde começou ensinando o curso de gestão de dados, em 1996. Seu trabalho com a Escola de Medicina incluiu a criação e direção do departamento de pesquisa de TI. Sua experiência abarca o desenho e a execução de pesquisa em gestão, em ciências de conduta e políticas públicas, e em análises estatísticas. Sua trajetória também inclui o planejamento de TI, avaliação e métricas, assim como a liderança operativa em TI.

Entre em contato com Susan Grajek no LinkedIn (http://www.linkedin.com/pub/susan-grajek/1/ab9/8b3) para atualizar-se sobre os novos desenvolvimentos em dados, pesquisa e análise de EDUCAUSE.

Cinco perguntas para: Carlos Alberto Cortés López, Colômbia

carlosContinuamos com nossa série "Cinco perguntas para" e nosso convidado de hoje é o colombiano Carlos Alberto Cortés López. Engenheiro de Sistemas e especialista em redes de dados, ele é atualmente o Chefe de Sistemas no Tecnológico de Antioquia, na Colômbia. Nessa entrevista, López, que participou de todas as edições da TICAL desde 2011, fala de sua trajetória dentro do universo das redes avançadas e sobre sua relação com a conferência organizada por RedCLARA.


 

Olá, Carlos. Conte um pouco sobre você e sua formação.

Olá! Sou Carlos Alberto Cortés López, Engenheiro de Sistemas, especialista em redes de dados, auditor interno da ISO 27000, entre outros. Atualmente atuo como chefe de sistemas do Tecnológico de Antioquia, com cerca de 12 mil estudantes e presença em 48 municípios do departamento. Minha função principal é propor investimentos que potencializem o trabalho institucional através do uso de novas tecnologias, para que a instituição adquira liderança acadêmica e administrativa. Também sou docente de cátedra há mais de 12 anos.

Qual foi seu primeiro contato com as redes avançadas e como você avalia o desenvolvimento delas desde então?

Desde que se começou a falar sobre RENATA na Colômbia, tive a oportunidade de participar dos eventos de socialização e alguns projetos nos quais a rede aportou com recursos e capacitação, além da oportunidade de liderar esta implementação em duas universidades de Medellín, nas quais conseguimos que principalmente os professores possam trabalhar com seus parceiros acadêmicos em melhores condições. Hoje, o problema já não é mais técnico, isso foi resolvido. O atual desafio, então, é fazer com que mais professores e pesquisadores façam uso da rede.

Em um contexto como esse, qual é a importância de TICAL para o desenvolvimento das redes e dos profissionais na área das TIC?

As instituições estão mudando constantemente e a mudança delas nos obriga a avançar também. Se não o fazemos, estamos acabados. Nessa dinâmica, os planos estratégicos de tecnologia são fundamentais e, para construí-los, se requer experiência e conhecimento, os quais são adquiridos na TICAL. Lá, as experiências de outras instituições nos enriquecem e nos poupam tempo e dinheiro, uma vez que, ouvindo sobre seus exemplos, não cometemos os mesmos erros e copiamos seus acertos. Compartilhamos nossas dificuldades, realizações, observações e recomendações. Compartilhar essas coisas é muito importante. Para mim TICAL tem sido fundamental, uma vez que implementamos muitos projetos graças às experiências de outras instituições.

Você participou das quatro edições de TICAL. Que lições você tirou de cada uma delas?

Cada edição de TICAL foi especial para mim. Em cada uma delas pude estruturar projetos que logo foram incluídos no plano estratégico de Tecnologias. Também pude compartilhar experiências de meus projetos com colegas de Equador e do Peru e logo depois de TICAL já entramos em contato uns com os outros. Definitivamente, TICAL é um local de grande aprendizado para minha vida profissional e pessoal.

Pessoal e profissionalmente, quais são suas expectativas para TICAL2015, que será realizado no Chile?

Seguir crescendo pessoal e profissionalmente e conhecendo gente talentosa, simples e disposta a compartilhar seus conhecimentos e experiências. Além disso, com tudo o que aprender lá, levar à instituição na qual trabalho ideias e planos de trabalho que façam com que os investimentos em tecnologia se transformem em benefícios para que possamos ajudar no crescimento institucional e na aquisição de liderança acadêmica e administrativa.

 

Conheça os palestrantes de TICAL2015: Eloy Rodrigues, Portugal

eloytical2015Faltando pouco mais de dois meses para o início da quinta Conferência TICAL, o evento já tem definidos os cinco palestrantes internacionais que compartilharão suas experiências nas sessões plenárias. Dos Estados Unidos vem Susan Grajek; da Colômbia, Andrés Holguín; Manuel Moreno, do México e Johann Pongratz, da Alemanha. Os quatro darão vida as sessões de TICAL2015, em Viña del Mar, no Chile, entre os dias 6 e 8 de julho, junto ao palestrante que apresentamos agora: Eloy Rodrigues, de Portugal.

Eloy António Santos Cordeiro Rodrigues licenciou-se em História, variante em Arqueologia, pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, e concluiu o Curso de Especialização em Ciências Documentais, opção de Biblioteca e Documentação, na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa.

Atualmente é Diretor dos Serviços de Documentação da Universidade do Minho. O foco de seu trabalho tem sido o desenvolvimento de bibliotecas digitais, a formação de bibliotecários e utilizadores de bibliotecas e a promoção do acesso livre à literatura científica (Open Access) através de repositórios institucionais. É autor de mais de três dezenas de artigos, livros e capítulos de livros sobre estas matérias.

Dinamizou o Grupo de Trabalho sobre o Acesso Livre (Open Access) estabelecido pelo Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas em 2007, e desde Julho de 2008 lidera, sendo o responsável científico e técnico, a equipe da Universidade do Minho que desenvolve o projecto Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal.

Em nível europeu, foi membro do grupo de trabalho sobre Open Access da EUA (European Universities Association) em representação do Conselho de Reitores das Universidades Portuguesas, e tem coordenado a participação da Universidade do Minho em vários projetos (NECOBELAC, OpenAIRE e OpenAIREplus, MEDOANET, PASTEUR4OA, FOSTER) financiados pelo 7º Programa Quadro da UE relacionados com os repositórios e o Open Access. Além disso, preside o Grupo de Trabalho sobre Interoperabilidade de Repositórios da Confederation of Open Access Repositories (COAR).

Nos últimos cinco anos, a convite de diversas universidades e outras organizações, realizou mais de três dezenas de palestras, seminários e outras acções de divulgação ou formação sobre o acesso livre ao conhecimento e os repositórios institucionais, na Europa (Portugal, Espanha, Reino Unido, República Checa, Alemanha, Itália e França), em Moçambique, no Brasil, na Argentina e na Colômbia.

Na TICAL2015 Rodrigues trabalhará a linha temática “Um marco de governança para a gestão de dados e seus processos de dados.”

Com preços promocionais para quem se inscreva até o dia 31 de maio e três convocatórias – para autores de trabalhos a apresentar, jovens empreendedores e projetos interinstitucionais – abertas até o dia 15 de abril, TICAL2015 promete superar as edições anteriores. A Conferência será realizada entre os dias 6 e 8 de julho, no hotel Enjoy, em Viña del Mar, no Chile.

Para mais informações e para fazer sua inscrição, acesse: www.tical2015.redclara.net

Fotos

Organizadores TICAL2015:

RedCLARA
REUNA
Edutic

TICAL2015 em Twitter

JoomShaper